Sobre Risco Arquitetura Urbana

Risco Arquitetura Urbana www.riscoarquiteturaurbana.com.br

Realizada Audiência Pública da Revisão do Plano Diretor

No dia 20/09/2018 às 19h foi realizada na Câmara Municipal a Audiência Pública da Minuta de Lei da revisão do Plano Diretor de Miracatu, com a presença de 38 pessoas, entre cidadãos, vereadores, servidores da prefeitura.

 

Foi apresentado o processo participativo de revisão e as propostas principais do novo plano. Todos os comentários e perguntas feitos na audiência estão sendo sistematizados pela consultoria e serão avaliados pelo Conselho da Cidade.

A minuta de lei está disponível para consulta pública e pode ser acessada na seção de cadernos e produtos. A proposta está aberta para comentários por 15 dias, os comentários devem ser feitos através da ouvidoria da prefeitura.

Anúncios

Audiência Pública do Plano Diretor

Estamos na reta final da revisão do Plano Diretor!

Traga sua opinião para a Audiência Pública, no próximo dia 20/09 as 19h00 e contribua na construção da Miracatu que você deseja para os próximos dez anos.

A minuta de lei para consulta, acesse aqui.

PD MIRACATU Folheto Audiencia v2.jpg

Realizada a 4ª reunião do Conselho da Cidade de Miracatu

No dia 20/08/2018, às 09h30 ocorreu a 4ª reunião do Conselho da Cidade de Miracatu, na Sala de Reuniões da Prefeitura de Miracatu. Contou com a presença de 12 participantes, entre eles representantes da sociedade civil e do poder público municipal, contando com a presença do Prefeito Ezigomar Pessoa Jr. e consultores da Risco Arquitetura Urbana.

Na pauta do dia, foram apresentadas as seguintes atividades:

  • Apresentação de quadros prognósticos de Cenários para o Município;
  • Apresentação dos objetivos e das propostas de revisão do Plano Diretor;
  • Discussão sobre o conteúdo apresentado;
  • Aprovação dos conteúdos trabalhados até esse ponto;

O Plano Diretor Preliminar passará por análise e revisão da gestão municipal e do Conselho. Após essa análise, será convertida em minuta de lei e encaminhada à Audiência Pública, prevista para o dia 13/09/2018.

Reunião Local com a Câmara de Vereadores

No mesmo dia e local, às 14h, ocorreu a reunião com a Câmara de Vereadores. Estiveram presentes 9 dos 11 vereadores, além da consultoria Risco e da coordenação da Revisão do Plano Diretor, Magali Ratti e Ezigomar Pessoa Jr.

O objetivo da reunião foi avaliar a proposta do Plano Diretor junto à comissão, para posteriormente ser encaminhado à Audiência Pública na Câmara de Vereadores.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas sentadas e área interna

Diagnóstico Técnico Participativo finalizado

O Diagnóstico Técnico Participativo foi finalizado e aprovado após comentários dos técnicos da Prefeitura de Miracatu.

O produto está disponível, acesse o caderno aqui.

A partir da leitura realizada conjuntamente entre os membros do poder público municipal, consultoria e moradores – através da metodologia técnico-participativa – foi possível delimitar a situação atual do município bem como definir às principais questões que deverão ser enfrentadas pelo Plano Diretor.

Miracatu_distritos v2.jpg

A etapa de diagnóstico contou com o levantamento, sistematização e analise de dados disponíveis, não só no âmbito municipal, mas também regional e nacional. Tais dados foram somados ao levantamento de dados primários e a leitura da situação local atual através de metodologia técnico-participativa que realizou também: vistorias de campo para levantamento fotográfico e delimitação de pontos em GPS; pesquisa de opinião de abrangência municipal, com aplicação de aproximadamente 400 questionários de forma presencial através de treinamento da equipe de Saúde da Família do Município; a realização de 9 Oficinas participativas nas diferentes regiões da área urbana do município, momento que possibilitou o  dialogo direto com os diferentes bairros e seus moradores; reuniões de formação com o Conselho da Cidade; além de diversas reuniões de trabalho entre a consultoria e a coordenação do processo de revisão no município.

A partir do mês de julho o processo de revisão entra na fase de prognóstico, visando a proposta de revisão do Plano Diretor.

Realizada a 3a reunião do Conselho da Cidade e Reunião Local 4

Foi realizada a 3ª reunião do Conselho da Cidade de Miracatu no dia 11 de Julho de 2018, às 9:30 da manhã na sede da prefeitura, no Centro. A reunião contou com a presença de treze participantes representantes da administração pública e da sociedade civil, , entre os quais cabe destacar as presenças de Ramiro Levy e Marcos Kiyoto da consultoria RISCO; Joyce Rodrigues, do Instituto Votorantim; prefeito Ezigomar Pessoa e da coordenadora local do plano Magali Ratti.

A pauta prevista previa:

  • Apresentação da síntese do diagnóstico técnico-participativo;
  • Debate e avaliação das análises realizadas durante etapa de diagnóstico;
  • Debate e avaliação das Oficinas Participativas realizadas;
  • Apontamento de necessidades de complementação e indicações do atual Plano Diretor para o prognóstico (revisão da Prefeitura);
  • Apresentação de quadros prognósticos em 3 cenários: otimista, realista e pessimista;
  • Pactuação de diretrizes do Plano Diretor com o Conselho.

A consultoria apresentou um panorama geral do Diagnóstico Técnico-Participativo recém finalizado e entregue na forma de um relatório e um caderno de mapas. Neste diagnóstico foram apontadas as principais questões identificadas através das análises de dados e indicadores, da leitura dos planos existentes, das reuniões do Conselho da Cidade e reuniões locais, dos questionários aplicados em campo e das oficinas participativas.

Entre os pontos principais, os mais críticos foram a dificuldade no acesso ao trabalho e renda; a dispersão territorial dos bairros e a dependência do aglomerado urbano da Sede; a queda populacional; a fragilidade das atividades produtivas do município.

Dentre esses, o ponto mais crítico sobre o qual se discutiu foi a falta de postos de trabalho e a geração de renda. Há o entendimento geral que não há solução única e que é preciso apontar estratégias diversas que concorram para o mesmo fim, entre elas foi levantado o estímulo ao turismo ambiental e cultural; à implantação de empresas e indústrias; ao comércio local; e à agricultura. Além disso, o estudo também constatou a ausência de comércio básico nos bairros – aspecto reforçado pelos membros do conselho presentes. Um dos objetivos apresentados, que foi acatado pelo conselho, foi de incentivar o comércio local.

Também em função da dispersão territorial em diversos núcleos – a consultoria identificou 9 núcleos urbanos –  ressaltou-se a importância de um estudo mais aprofundado sobre a mobilidade no município, possivelmente através de um Plano de Mobilidade, para conhecimento dos deslocamentos.

Em seguida, a consultoria apresentou as diretrizes que nortearão a revisão do Plano Diretor para apreciação e anuência do conselho. As principais diretrizes apresentadas foram: conter a expansão urbana desordenada e estimular o adensamento dos aglomerados já existentes, evitando áreas de risco, de uso rural e de preservação ambiental; fortalecer os núcleo urbanos sedes de distrito (Oliveira Barros, Pedro Barros e Santa Rita), buscando reduzir a dependência da Sede; estimular o fortalecimento de atividades produtivas existentes (agrícola, comércio e serviços) e a implantação de novas atividades (indústria, turismo). O conselho se posicionou favorável às diretrizes apresentadas. A apresentação utilizada pode ser acessada aqui.

Os objetivos apresentados foram acatados e serão apresentados no Produto 3 – o Plano Diretor Participativo, cujos resultados serão discutidos na 4ª reunião do Conselho da Cidade, em agosto.

Reunião Local

No mesmo dia e local, às 14:30, foi realizada a Reunião Local 4, que reuniu parte dos membros do Conselho da Cidade e da comissão de revisão do Código Tributário e do cadastro de IPTU. Foram apontados os aspectos mais interessantes identificados no Diagnóstico Técnico-Participativo, como o risco do surgimento de novos loteamentos precários pela expansão pouco controlada; a possibilidade de existência de áreas públicas não cadastradas; a defasagem entre o cadastro do IPTU e a ocupação territorial real; e o montante de dívida ativa do IPTU.

Também foram discutidos princípios que regem a legislação territorial como a função social da cidade, a função social da propriedade urbana e a justiça social. A consultoria ressaltou que o objetivo é incluir na revisão do Plano Diretor os parâmetros necessários para a implementação do Parcelamento, Edificação ou Utilização Compulsórios (PEUC) e o IPTU Progressivo no Tempo, nos termos do Estatuto da Cidade (Lei Federal nº 10.257/2001)

RL4_IMG_20180711_173716764